UM LADRÃO DE SENTIMENTOS

Ele sempre passava lá em casa para pedir resto de comida, dinheiro ou alguma roupa velha que a gente não usasse mais. Mal balbuciava as palavras, mas pelos gestos, a gente sabia o que queria. Apesar de não temê-lo, mantinha  distância, sempre na expectativa de que algo inesperado acontecesse, coisa que agora, 75 anos depois, vejo que nunca aconteceu.

A roupa suja e o cabelo branco e desgrenhado, compunham a sua figura. Além disso, ele exalavam um mal cheiro insuportável e tinha um aspecto assustador, razão também de eu não me aproximar. Mas, apesar disso, era um homem de bom coração. Muito dócil, em contraste com a sua aparência temerosa e repelente

Ninguém sabia de onde viera. Sabíamos que morava embaixo de uma gameleira, num cômodo construído com restos de tábuas e coberto de cacos de telhas e lonas.

 

Convivi com ele a minha infância toda; a sua presença na nossa porta de vez em quando. Certo dia, percebemos que fazia um bom tempo que ele não aparecia. De imediato, não demos importância ao fato, embora sentisse que aquela rotina havia, de certa forma, sido quebrada.

Passou-se uma semana. Nada de ele aparecer. Ficamos intrigados. Então minha mãe resolveu ir procurá-lo. Fui com ela. Ao chegar onde ele morava, tivemos uma surpresa. De dentro do casebre exalava um mal cheiro insuportável. Havia moscas e insetos sobrevoando ao redor. Arregalamos os olhos assustados, sem entender o que havia acontecido, mas mamãe, mesmo tapando o nariz, foi até a porta do casebre e puxou a lona para um lado, de maneira que vislumbramos o escuro lá dentro. Foi então que vi mamãe se contorcendo. Um som gutural saiu de sua garganta e seu corpo curvava freneticamente. Corri ao seu encontro gritando, procurando ampará-la, quando vi golfadas de vômitos jorrando de sua boca.

 

Ouvindo a minha gritaria, uma mulher que ia passando na rua veio correndo ao nosso encontro. Energicamente, segurou mamãe, enquanto a determinação saía quase que automaticamente de sua boca.

- Vamos chamar a polícia!

 

Quando a viatura do IML chegou com a polícia - homens de branco, com máscaras e lençóis para cobrir o corpo, a notícia já havia se espalhado e as pessoas estavam lá, querendo saber detalhes.  

Na seqüência, Peritos entraram e reviraram o casebre, espalhando coisas por toda parte. Pegaram um tapete velho e corroído e jogaram no quintal do casebre. Folhas de papel rabiscadas voavam livres ao vento... uma aliança de ouro rolou pelo chão. Reconheci uma fotografia dele - pelo menos havia certa semelhança na fisionomia - amarelada, quase apagada, acompanhado de uma mulher e duas crianças. Uma fotografia que o remetia a uma juventude perdida há muitos anos.

 

Como eu era uma criança em idade escolar e curiosa por todo tipo de escrita, saí correndo atrás dos papéis espalhados, lendo alguma coisa aqui e ali, sem entender muito. Eram coisas que falavam de amor, de namorada, de família... versos... livros de autores que  eu nem sabia pronunciar o nome. Coisas pessoais que eram arremessadas, assim, sem cerimônia, fora do cômodo.

 

Na época, não entendi muito bem o ocorrido e nem havia em meu coração de criança sentimentos maduros para isso. Hoje, muitos anos depois, sei que aquele homem era um poeta. Amara, sofrera... Deve ter tido os seus momentos de solidão, de alegria, de felicidade. Como qualquer um de nós. Os rabiscos em sua casa, no chão, sobre o caixote de madeira que servia de criado e espalhados por toda parte... livros, tudo, tudo denunciava que fora uma pessoa que tivera uma boa educação, que lera bons livros.  

 

Naquele instante percebi porque não gostava que a criançada se aproximasse da casa, quando passávamos para ir jogar pelada. Ali ele guardava, como se fosse um tesouro, todo o histórico de sua vida: as alegrias, as tristezas e as fantasias de um coração que sonhava. Guardava todos os sentimentos que habitam um coração e talvez tivesse medo de que algum ladrão os pudesse roubar.

 

   

Visite minha coluna exclusiva. Clique aqui

MICROCONTOS N. 04

01 - NADA DE CAMA, POR FAVOR!

Divorciaram. Ele continuou morando com a ex. Ela fazia tudo do mesmo jeito pra ele. E não ia receber pensão se ele morresse. Exigiu salário.

 

NADA DE CAMA, POR FAVOR – 2. ato

Armação. Morto ainda no caixão. Chega Advogado. Viúva: Esse aí dizia que ia me deixar na mão, que eu não receberia pensão.  Cadê os papéis?

 

 

02 - TUDO ISSO? NOSSA...

Solteira. Quarentona. Bonita. Sem filhos. Independente. Morando sozinha. Procurando um relacionamento sério. Gostou? Interessou? Pega procê!

 

 

03 - PAIXÃO FULMINANTE

Abandonou o caso. Estava se apaixonando pela vítima e tinha medo de perdê-la, o que aconteceu. O matador de aluguel cumpriu a promessa.

 

 

04 - UM CORPO QUE CAI

Falava da vizinha, gratuitamente. Quando teve um ataque do coração, a vizinha foi a primeira a socorrê-la. Nem teve tempo de agradecer...

 

 

05 - O PASSADO DE PRESENTE

Abriu a porta. Deparou com o passado à sua frente, propondo-lhe futuro. Fechou novamente a porta. Não desejava aquele presente. Não com ela.

 

 

06 - TROCA-TROCA

A vida é uma troca. Aos 80 anos, ele deixou de ser um pão-duro, mão-de-vaca. Quer saber como? Vou contar. O casamento com uma menina de 21.

 

   

07 - ALIANÇAS

Para ser notada, pegou o cãozinho e entrou na loja porque viu o cara que já tinha ficado com ele. O rapaz escolhia alianças com uma garota.

 

 

08 - CADA UM NA SUA

Casaram. Casas separadas. Ela não deu a chave. Abria pra ele a porta. Escondido, ele fez cópia. Quando testou a chave, o casamento acabou. 

 

 

09 - MAUS TEMPOS!

Faz tempo! Casa vendida, Corretor deposita dinheiro na conta pra acerto depois. Confisco de contas. Corretor morre. Pô, ainda na justiça?

 

Leia a minha Coluna no Canto do Escritor. Clique aqui

 

 

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
Meu Perfil
BRASIL , Sudeste , Homem , Livros , Viagens , animais/aves
Outro - rubomedina@oi.com.br

 
Visitante número: